vasconcelos-corretor
morada-03
CEA_Prancheta 1
Contabilidade Fácil
camara

Biólogos farão buscas para achar ossos gigantes que sumiram misteriosamente no litoral de SP

Cidades Destaque

Instituições apontam três hipóteses para sumiço do esqueleto de praia em Peruíbe: uma possível retirada feita pelos moradores, carregado pela maré ou soterrado novamente pela areia com o movimento das ondas

Biólogos do Instituto Biopesca serão enviados à praia da Barra do Una, em Peruíbe, no litoral de São Paulo, para investigar o sumiço do esqueleto de aproximadamente quatro metros de extensão que surgiu e desapareceu na faixa de areia da região. Eles também terão como objetivo resgatar o último osso restante da ossada para estudos.

As informações foram confirmadas ao G1 nesta terça-feira (25). A praia onde o esqueleto foi encontrado fica a 24,7 quilômetros de distância do Centro da cidade, dificultando o acesso à região. A equipe está prevista para ir ao local na quarta-feira (26). Eles irão à praia para checar a possibilidade da ossada ter sido novamente enterrada com o movimento das ondas.

Além disso, caso consigam encontrar o osso restante, os biólogos do instituto irão coletá-lo para análises, que poderão definir a idade do osso e cruzar as informações com os encalhes de baleia registrados naquela praia, para identificar a espécie.

Esqueleto encontrado

O esqueleto, que biólogos ouvidos pelo G1 afirmaram tratar-se, sem dúvidas, de uma baleia, foi encontrado na praia da Barra do Una neste fim de semana. A carcaça foi avistada por moradores da região, que compartilharam as imagens nas redes sociais.

Na ocasião, o instituto respondeu que foi acionado e que uma equipe seria acionada para ir ao local verificar a ossada e por qual motivo ela teria surgido, além de avaliar a possibilidade de remoção. O Aquário Municipal de Peruíbe também demonstrou interesse em resgatar a ossada para futura exposição.

… e desaparecido

No entanto, devido às fortes chuvas, a equipe do instituto acabou não indo à praia. No dia seguinte ao encontro, eles receberam a informação da comunidade local que o esqueleto não estava mais na faixa de areia, restando apenas um osso.A Fundação Florestal, responsável pela estação ecológica onde a Barra do Una está localizada, confirmou a informação. Dentre as possibilidades levantadas pelas duas instituições para o sumiço, estão: uma possível retirada feita pelos moradores, carregado pela maré ou soterrado novamente pela areia com o movimento das ondas.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *