vasconcelos-corretor
morada-03
CEA_Prancheta 1
Contabilidade Fácil
camara

Mulher abriga morador de rua em sua própria casa, no litoral de SP: “Ela foi um anjo”

Cidades Destaque

Dona de casa de São Vicente relatou que se comoveu com homem deitado no chão na madrugada fria; depois disso, por conta própria, ela investigou sua origem, conseguiu contato com sua família e o abrigou até o reencontro dele e sua família. “A gente adotou ela como uma irmã nossa”, afirmou familiar do homem em situação de rua, desaparecido há uma década

Uma dona de casa de 25 anos, moradora de São Vicente, no litoral de São Paulo, abrigou um homem em situação de rua em sua própria residência. “Senti algo quando vi e falei com ele, me comovi com a história dele. Não queria ser mais uma pessoa que olhasse para ele com olhar de repúdio e desprezo. E, graças a Deus, deu tudo certo”, afirmou Jaíne dos Santos ao Portal Costa Norte, na última terça-feira (18).

Na noite daquela data, Cícero Gomes da Silva, de 53 anos, estava há cerca de três dias abrigado na casa de Jaíne, casada e mãe de duas filhas, aguardando a chegada da irmã dele, moradora da capital.  

Antes de abrigá-lo, Jaíne descobriu sozinha, através das redes sociais, o paradeiro de duas irmãs de Cícero, conhecido como Cicinho – segundo uma de suas irmãs que preferiu não se identificar.   

“Ela foi um anjo que apareceu na vida do meu irmão e através dela a gente pôde encontrar ele”, declarou a irmã de Cícero sobre Jaíne, após buscá-lo no litoral. Segundo informações da irmã, Cicinho já foi faxineiro e cobrador. Com enfermidades de ordem psicológica agravadas, ele desapareceu pela primeira vez há cerca de 25 anos. De lá para cá, a família o resgatou algumas vezes, sendo a última há aproximadamente dez anos.   

O primeiro encontro da dona de casa Jaíne e Cícero aconteceu na noite fria do último dia 14, uma sexta-feira. “Eu estava indo levar minha irmã na casa dela e, lá perto, vi ele deitado no chão. Fui para minha casa, mas retornei. Levei uma coberta e uma janta. Era de noite, sentei do lado dele e comecei a puxar assunto. Ele disse que estava por aqui desde o começo do ano, que estava perdido”, relembrou Jaíne.

com informações do Sistema Costa Norte de comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *