morada-03
Contabilidade Fácil
CEA_Prancheta 1

Cachorro entra em funeral e consola menina de 6 anos que perdeu seu pai

Destaque Mundo

A doce menininha Raelynn Nast, 6 anos, que reside com sua família em Greenwood, Arkansas (Estados Unidos), recebeu uma visita especial durante o velório de seu pai: um cachorro da raça labrador, de cor chocolate.

A perda de um ente querido é uma dor que só o tempo pode curar. É como um pássaro que levanta voo e parte para longe deixando apenas a eterna saudade no coração. A pequena Raelynn Nast teve uma perda inigualável no final do mês de abril: seu pai. O homem veio a falecer devido a um câncer de cólon aos 41 anos.

O pai de Raelynn Nast. (Foto: Arquivo Pessoal/Lacey Lee Nast)

A pureza da criança não a permitiu que ficasse chorando ao lado do caixão. A sua alegria permaneceu intacta, acredito que o que a deixou firme foram as boas lembranças guardadas em sua memória.

Raelynn ficou ao lado de fora da casa funerária, brincando com seus primos. No mesmo instante, passava uma mulher se exercitando com o seu cão.

“Ela estava andando na rua e eu perguntei se eu poderia acariciar o cachorro e ela disse que sim”, disse a criança ao Fox News.

A criança sentiu uma forte conexão com a dupla e, inesperadamente, convidou cão e tutora para ver o seu pai. Beineman, a mulher, mesmo surpreendida não negou o pedido e entrou no recinto com o seu cão Blue.
Raelynn com o cachorrinho Blue. (Foto: Arquivo Pessoal/Lacey Lee Nast)

Lacey, a mãe da criança, nem imaginava que a sua filha convidaria uma “estranha” e um cachorro para participar de um momento tão íntimo da família. Porém, não se espantou, pois o pai da criança tinha a mesma personalidade extrovertida de encontrar alguém para conversar em qualquer situação.

“É uma daquelas experiências que acho que nunca poderia esquecer”, disse Lacey.

A criança, contente com a permissão da mãe, conduziu a mulher até o caixão. Queridinha!
A mãe da criança acredita que aquela situação não foi coincidência, mas sim, a presença do marido, dizendo que tudo ficará bem. Pois, o nome do cachorro, Blue, lembrou-a de que é a cor favorita do falecido e também é a mesma que representa o câncer de cólon.
“Eu acho que esta foi a maneira dele de dizer à ela [Raelynn] que ele ainda está aqui, e ele vai olhar para ela e guiá-la através do luto”.
O labrador Blue em nenhum momento se retraiu com o carinho da criança. Ao contrário, permitiu o afago, como se dissesse a ela que tudo estava bem. E sim, os cães tem esse poder de acalmar corações aflitos. Pois o contato com esses animais estimula a recuperação, aumenta a confiança e também a autoestima.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *