vasconcelos-corretor
morada-03
CEA_Prancheta 1
Contabilidade Fácil
camara

Que fim levou o Fiat Uno que Ayrton Senna deu para Adriane Galisteu?

Brasil Esporte
Carro tem placa personalizada e era pilotado pelo tricampeão de Fórmula 1

Se um tricampeão mundial de Fórmula 1 lhe perguntasse qual carro você teria, como seria sua resposta? Quando Ayrton Senna fez esse questionamento para sua então namorada Adriane Galisteu a resposta não poderia ser mais surpreendente: um Fiat Uno.

“Era o sonho de qualquer menina da minha época, que era de classe média baixa. Para mim era um carro muito inalcançável”, revelou Galisteu em entrevista exclusiva para a Autoesporte. A apresentadora da Record TV até hoje nutre um grande carinho pelo carro, que continua sob seus cuidados após 28 anos.

Senna também teve uma atitude carinhosa que Galisteu mantém até hoje: colocar as iniciais DRI na placa do veículo. A sequência é adotada em todos os carros da apresentadora, que atualmente dirige um Porsche Cayenne e um Hummer H3.

Memórias sobre rodas
A associação do carro com Ayrton Senna é algo que permanece até hoje com Galisteu, que revelou algo curioso. “Eu ficava brava, porque ele queria correr com o meu carro. Morria de medo dele bater o carro (risos)”. O Uno era sempre guiado por Senna quando o casal saía nos momentos em que o piloto estava no Brasil.Tudo sobre Ayrton Senna

A opção de Senna guiar o pequeno compacto 1.0 surpreende considerando que, na época, o então piloto da McLaren tinha à sua disposição no Brasil um Honda NSX e uma Audi S4 Avant — o superesportivo japonês foi um presente da marca que patrocinava e fornecia motores para sua equipe, enquanto a perua alemã ajudava a divulgar a fabricante que Ayrton começaria a representar p

A paixão por automóveis era compartilhada com Galisteu: “Sempre gostei de dirigir. Eu brinco com todo mundo que tive um ótimo professor”, fala a apresentadora, que raramente opta por motorista particulares no seu dia a dia. Boa parte dos quase 40 mil quilômetros rodados pelo Uno, inclusive, foram com ela atrás do volante.

O interior impecável reforça o cuidado que Galisteu tem com o Uno — Foto: Arquivo Pessoal

Todo esse carinho e as memórias em torno do Fiat Uno ajudam a explicar o cuidado com que Galisteu cuida do carro. “Ninguém roda com ele. Eu só deixo o motorista que trabalha com a gente, de vez em quando, para ir até o posto de combustível ou dar uma volta rápida”, conta. “É um carro muito valioso, eu morro de medo de alguém bater nele, riscarem ou roubarem”.

FONTE: Auto Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *