morada-03
Contabilidade Fácil
CEA_Prancheta 1

Bertioga: Casal de idosos morre com uma semana de diferença de Covid-19: ‘Estamos destruídos’

Destaque Saúde

Juntos há 48 anos, Irenilda Souza Silva, de 69 anos, e o marido Geraldo Aparecido Soares da Silva, de 71, morreram com uma semana de diferença devido a complicações da Covid-19. Geraldo faleceu no dia 22 de abril, enquanto a esposa veio a óbito no último dia 29. A família afirma que, na data em que tomariam vacina contra a doença, no fim de março, as doses voltadas à faixa etária deles esgotaram ainda pela manhã, em Bertioga, no litoral paulista, e ambos não conseguiram ser imunizados. Em caderno de orações, o idoso chegou a relatar que estava perto de ser vacinado, no início do ano.

Em entrevista ao G1, a estudante Julia Barroso Reis Silva, de 17 anos, neta dos idosos, relatou que os avós tiveram dois filhos e dois netos – ela e o irmão. Conforme conta, a mãe e a avó foram as primeiras da família a terem sintomas do coronavírus, seguidas de seu pai.

“Os três foram ao hospital e fizeram o teste. Minha avó vomitava o tempo inteiro, não conseguia se alimentar, estava muito desanimada e só dormia. Nós tínhamos muita dificuldade em entender o que ela estava sentindo, pois não falava, não reclamava, apenas dormia. Ela foi a primeira a ser internada no Hospital de Bertioga, e até então meu vô não tinha sintomas”, conta.

De acordo com a jovem, depois disso, o avô começou a ficar muito fraco, mas, de início, a família acreditava que fosse efeito dos remédios psiquiátricos que ele tomava, que eram fortes, porque tinha esquizofrenia. “Mas ele começou a cair, a ter muita febre, e pelas condições dele, era muito difícil saber como estava, por isso, chamamos a ambulância diversas vezes. Ele foi várias vezes ao hospital, mas em nenhuma fizeram teste. Na última vez que chamamos a ambulância, ele foi internado direto. Alguns dias depois do meu avô ser internado, minha avó foi intubada, os médicos diziam que o caso dela era preocupante”, conta.

A estudante relata que o avô parecia ter melhorado, fez chamada de vídeo com a família, e os médicos fizeram de tudo para ele não ser intubado. “Quando menos esperávamos, recebemos a notícia de que ele havia falecido, quando tentaram fazer a intubação. Foi muito difícil para nós, não conseguíamos acreditar no que estava acontecendo”, desabafa.

A família passou, então, a manter a esperança de que a avó se recuperaria, mas os rins dela não estavam saudáveis, e seria preciso fazer hemodiálise. Então, ela foi transferida a um hospital de Santos. “Estávamos muito confiantes de que tudo iria dar certo depois da hemodiálise. Mas ela não resistiu, faleceu depois da tentativa de fazer a diálise”, lamenta.

Julia reitera que todos sempre foram muito cuidadosos com relação à prevenção à doença, e que até então, não tinham nenhum outro caso de Covid-19 na família.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *